603

Isto tem andado meio esquisito ultimamente…
O trabalho tem dado mais trabalho do costume, o tempo livre reduziu-se e, apesar de me divertir bué com Artax sentia que me faltava alguma coisa.
Parei para pensar…
Se calhar não estou a dar suficiente atenção aos meus problemas!
Mas ao final de quase 3 semanas a tentar dar cabo dos problemas, cheguei à conclusão que à problemas duros de roer, raios má parta lá o cú de 80cms! Sempre que me cai em cima, ou me saltam os olhos das órbitas ou é simplesmente o único que consigo mexer!

Mas mesmo assim, continuava a sentir a falta de alguma coisa.
Sentei-me ao computador a olhar para o Maps e de repente acendeu-se-me o neurónio asfáltico.
Katano!
Falta-te asfalto. Não pode ser só monte!
Amanhã é que vai ser!
Mas não foi.
Vocês sabem que a chuva não me mete medo, mas eu queria or andar de mota e não de canoa!
Esperemos mais uma semana…
E quando, finalmente, mesmo com o céu encuberto, vesti o fato montei na Dorothy e pus-me a caminho…. Furei!
Precisamente no dia em que não tinha o kit de emergência comigo!
Truta que o pariu, lá o raio do Murphy, que quando o encontrar transformo aquela boca numa boca de veludo….
E eu andava que nem podia, o Asfalto gritava por mim, e eu tinha que mudar os pneus à Dorothy e no dia em que ia montar as rodas na Dorothy, um alerta por ventos fortes obriga a impedir o acesso ao complexo de garagens onde está o Santuario. Fiquei à porta, sem poder entrar, com a Dorothy e duas rodas novinhas em folha à espera dentro do Santuário.
Mais uma voltinha pela Europa a destilar azia….
Quando cheguei de viagem fui directo ao Santuário montar as rodas.
Vim para casa de Dorothy, amanhã é que era!

Eram cinco e um quarto da manhã quando o galo desafinado do relogio despertador cantou!
-Onde vais!?- perguntou ao ver que me levantava…
-Vou andar de mota, queres vir?
-Rui são 5 da manhã, sossega!
-Ainda não sei bem onde vou, mas é possível que apanhemos chuva, se quiseres vir é o momento!
-Eu não vou a lado nenhuma a esta hora – desabafou enquanto se enroscava no edredon – è preciso estar muito louco para levantar-se da cama a estas horas para ir andar de mota….

Apesar das olheiras, consegui escolher com facilidade o meu fato térmico, o fato de turismo, as botas e o equipamento impermeável de um amontoado de coisas da mota que tenho, algures no meio de um armário cheio de outras coisas que agora não vem ao caso….
Enquanto aquecia os cavalos de Dorothy, ultimava os preparativos. GPS emparelhado com o telemóvel, telemóvel emparelhado com o sistema de comunicação, que por sua vez estava emparelhado com os neurónios e estes não estavam emparelhado a coisíssima nenhuma…
Saí finalmente à rua….
Nem queria acreditar, eu e a Dorothy, vamos curtir umas curvas e se chover que satoda!
Espera lá, onde é que eu ia mesmo?
Como podes sair de casa sem saber onde vais?
Vá lá, deixa-te de mariquices, hoje é como os bons velhos tempos. Boina ao ar!
E assim foi, rumo a sul!
É pá, mas a sul é plano e desértico!
Tem calma, algo havemos de arranjar…
Saindo de Zaragoza, pela antigua N330 em direcção a Valencia lembramo-nos de fazer um vídeo ao Alto de Paniza e as suas curvas rápidas.

Com a construção da Autovia, que vai boa parte do seu trajecto paralela a N330, esta caiu em desuso e o asfalto tem vindo a desgradar-se por falta de manutenção.
Cada vez que passo por lá existem mais gretas, cada vez mais sujo e, no inverno, custa mais a secar e é possível que haja alguma placa de gelo nos dias mais frios. Mas o magnetismo destas curvas é irresistível!
Como ainda estava meio de noite, não se vê, mas as paisagens impressionam!
A velhinha Nacional leva-nos até Daroca, praça fortificada, conquistada aos muçulmanos por Rodrigo Dias de Vivar – Cid el Campeador, Daroca hoje é polo de atracção pelo seu bairro antigo, pelos monumentos e igrejas, assim como pelas muralhas que ao fim de mais de mil anos teimam em guardar a cidade.

Até Calamocha a estrada é divertida, com curvas rápidas, o traçado predileto da Dorothy, mas os 2 graus de temperatura do ar recomendam a cautela, uma vez que o asfalto tende a estar ainda mais frio.
Passado Calamocha, a planície imensa começa a levantar duvidas na minha cabeça.
Que raio ando aqui a fazer?
Eu quero curvas pá!!!
Espera lá, aquilo ali à direita esta bué enrugado!!!
Espera lá que é mesmo para lá que eu vou!
Apreciem como a planície aborrecida dá lugar ao bailado e à diversão!

Bem vindos a Albarracin, pequena cidade pendurada num penhasco recortado pelo rio Guadalaviar.

A ideia hoje é, aproveitar que estou bem protegido contra o frio, passear pelo povo…

…ver as diferentes perspectivas que este nos proporciona.

Caminhar pelas suas ruelas estreitas e sombrias.

Falar com as gentes, ouvir o mormulho das águas que ecoam desde o fundo da garganta do Guadalaviar.

Apreciar a “Plaza do Ayuntamiento” e os edifícios seculares que nos fazem voltar à idade média.

Fazer a fotografia da praxe, com a Catedral e o Castelo de fundo…

…voltar às ruelas para perceber que Albarracin foi uma versão medieval e arcaica da Lego…

….aproveitando a solidez das suas fundações para construir casas que mais parecem pirâmides invertidas.

Aqui está a vista desde a Muralha Norte, cuja visita fica adiada para quando haja botas de caminhada, agua e menos capaz de roupa sobre a pele.

Acabava de decidir que iríamos caminhar a Sudeste para visitar a Serrania mais bonita do Sistema Ibérico para onde os espanhóis orientam os seus problemas sempre que fazem o Doggy Style!

Este é o desfiladeiro do Guadalaviar aqui tive o cuidado de ir mais devagar ainda para que o video seja nitido e dê para apreciar a paisagem!

Se seguisse a estrada ia em direcção a Orihuela del Tremedal, onde me encontraria com os rios de pedra, mas não!

Girei à esquerda para entrar em cheio no que era a serrania de Albarracin e o Parque natural do Alto Tajo

Dorothy desenhava cada curva com a alegria do costume, asfalto de primeira, que apesar de meio seco meio molhado, dava alguma confiança para testar os novos SmartRoad que lhe tinha posto.

Primeiro fomos vendo manchas brancas nos montes mais altos, depois aqui e acolá, onde o sol não chega, grandes mantos de neve, até que…

… a neve tomou conta do cenario!

Embora a estrada estivesse limpa, estava a cair uma neve muito fininha, como se fosse farinha, algo comparado com a chuva molha tolos mas no seu estado solido.

A outra má noticia era que a Dorothy tinha entrado na reserva, há não sei quantos km atras e o mentiroso do GPS dizia que não havia gasolina nos proximos 75km.

Que se lixe! Um gajo empurra!

E cá estamos nós!

Onde o maior rio peninsular brota do chão e desagua directamente numa corrente de degelo!

É verdade!

O rio Tejo nasce por debaixo destas pedras, o problema é que desde lá de cima do monte, as neves que se desfazem, as chuvas e as nuvens fazem convergir neste ponto uma corrente de agua bem fornida que acabará a sua viagem a molhar as pedras da Torre de Belem!

Aqui fica, para a Memoria, um local que se encontrava especialmente bonito e frio devida há neve que tinha caido sobre o monte nas ultimas semanas.

Neve que nos acompanharia por mais uns km e que a dada altura, me permitiu, não sem devido susto, distinguir 3 veados que procuravam os rebentos viçosos da primavera mesmo à borda da estrada!

Essa especie de nevoa que se pode apreciar no horizonte era precisamente essa neve congela tolos que caia!

Nada de especial, pois as estradas estavam limpas e até já me tinha cruzado com um limpa neves que andava a espalhar sal para evitar possiveis congelamentos.

Aqui entramos oficialmente no Parque Nacional da Serrania de Cuenca, se bem que os parques da Serra de Rodenos/Albarracin, Alto Tajo e Serrania de Cuenca estão todos pegados uns aos outros, a Serrania de Cuenca é o parque mais extenso e com um valor enorme a nivel de flora e fauna, mas tambem no aspecto geologico da coisa!

Embora já andasse a vapores à uma vintena de km, ainda houve tempo para uma descida relaxada a fazer um video onde se pode contemplar a Serrania Nevada!

– Hola, buenos dias!

– Buenos dias!

– Sabe usted decirme donde puedo encontrar una gasolinera?

– Hombre! En Tragacete, a unos 5km de aqui!

– Vale, y como se llega?

– Facil, no tiene perdida! Sigues la carretera y cuando se termine, en el cruce, giras a la derecha y a 2km vas a ver una gasolinera a la mano derecha!

– Muchas gracias señor, que pase un buen dia!

– Venga vá! Buena ruta y cuidao!

E foi assim que resolvi o meu problema, para alem de conhecer o Jucar (um dos rios mais secos e polemicos de Espanha)!

Estávamos no Equador da manhã, o momento ideal para, depois de abastecer a Dorothy, tratar de mim. Uns breves minutos em que aproveito para saborear o café de máquina das bombas, quase sempre amargo e queimado, isso quando tem açúcar, e que me faz perceber que o meu vício por café não tem limites.

De café na mão, na frustrada esperança de que ganhe alguma qualidade, vou dando voltas à Dorothy, dando especial atenção aos pneus, novinhos em folha, e relembrando a importância vital que tem os pelos do pneu.

As vezes perco-me a contar os mosquitos que se esborracharam na carenagem, mas hoje, não sei bem porquê, a colheita foi um desastre. Só tinha, mais ou menos a meio da óptica, aquilo que parecia ser uma melga e mesmo assim parecia não estar bem morta porque ainda mexia duas das patas.

Voltei a pôr o capacete agarrado à esperança de que, como ainda me faltava mais de metade do dia, ia ter sorte com a matança!

Voltei à estrada para seguir o Jucar, que juntamente com o Segura, são os mais secos da Peninsula. Digamos que são tão secos, tão secos, que se houvesse trânsito estival de Salmões, os gajos em vez de lutarem contra a corrente, teriam que fazer escalada!

Mas o Jucar surpreende, porque se fez acompanhar por uma estrada tão retorcida como o seu leito, oferecendo à Dorothy a oportunidade de fazer a depilação aos pneus, que tanto pelo ainda faz pensar que é uma badalhoca…

À medida que as retas ficavam cada mais curtas, as curvas aumentam a sua exigência, o Jucar aumentava o seu caudal, ocupava cada vez mais espaço, mas perdia gradualmente intensidade.

Estávamos no Equador da manhã, o momento ideal para, depois de abastecer a Dorothy, tratar de mim. Uns breves minutos em que aproveito para saborear o café de máquina das bombas, quase sempre amargo e queimado, isso quando tem açúcar, e que me faz perceber que o meu vício por café não tem limites.

De café na mão, na frustrada esperança de que ganhe alguma qualidade, vou dando voltas à Dorothy, dando especial atenção aos pneus, novinhos em folha, e relembrando a importância vital que tem os pelos do pneu.

As vezes perco-me a contar os mosquitos que se esborracharam na carenagem, mas hoje, não sei bem porquê, a colheita foi um desastre. Só tinha, mais ou menos a meio da óptica, aquilo que parecia ser uma melga e mesmo assim parecia não estar bem morta porque ainda mexia duas das patas.

Voltei a pôr o capacete agarrado à esperança de que, como ainda me faltava mais de metade do dia, ia ter sorte com a matança!

Voltei à estrada para seguir o Jucar, que juntamente com o Segura, são os mais secos da Peninsula. Digamos que são tão secos, tão secos, que se houvesse trânsito estival de Salmões, os gajos em vez de lutarem contra a corrente, teriam que fazer escalada!

Mas o Jucar surpreende, porque se fez acompanhar por uma estrada tão retorcida como o seu leito, oferecendo à Dorothy a oportunidade de fazer a depilação aos pneus, que tanto pelo ainda faz pensar que é uma badalhoca…

À medida que as retas ficavam cada mais curtas, as curvas aumentam a sua exigência, o Jucar aumentava o seu caudal, ocupava cada vez mais espaço, mas perdia gradualmente intensidade.

A culpa foi do dique que o Homem construiu para aproveitar a força das aguas do Jucar para gerar energia electrica!

Acaba por ser ironico que o Homem consiga fabricar electricidade com a força das aguas de um rio que “esta seco”!

O que é certo é que a paisagem , a partir deste ponto, deixa de ser tão abrupta e abre-se diante de nos uma “bacia enorme” limitada por enormes falesias que fazem a linha do horizonte parecer um grafico de velas, muito utilizado no sector financeiro.

Os pinheiros, esses, passam a revestir parte do solo que não seja rochoso, deixando espaço para o rio e para alguns campos de cultivo.

Voltamos a subir, por entre pinheiros e azinheiras, deixando para tras o Jucar e tentando apreciar o que havia para alem do vale. A estrada estava cada vez mais seca, mas o piso fazia adivinhar que por alli circulavam maquinas pesadas. mais adiante, os restos de um corte de arvores confirmou a ideia de que aqui tambem se explorava a madeira, entre outras actividades economicas.

Ao existir floresta, maior probabilidade de animais, pelo que a prudencia aconselhava a ir com calma!

Afinal de contas era um planalto e ao final de alguns kms a estrada começa a retorcer-se e contorcer-se sobre si mesma!

Olha que fixe!!!

Precisamente aquilo que a Dorothy gosta!

E a descida prolongou-se por muitos kms, contornado a enconsta rochosa, com curvas tecnicas, de bom piso e quase sempre seco.

Aqui estamos!

Cuenca, cidade das casas penduradas!

Entrei na cidade com a Dorothy, e ainda bem, poois a cidade tem umas quantas subidas ingremes que não aconselham fazer-se a pé, ainda para mais , com toda a vestimenta que tinha em cima do corpo.

Cuenca, vista desde as ruinas do Castelo!

É uma cidade de pedra, construida sobre um penhasco de pedra, com muitas casas literalmente penduradas no precepicio e grandes tradições chechuais (para contar noutra cronica).

A visita foi realmente fugaz, não fazia parte dos planos, ou melhor, sim! Mas os 16 graus não aconselhavam uma visita com a roupa que tinha vestida.

Esta foto, da catedral gotica de Cuenca, marca o principio do fim desta cronica!

Daqui fomos a procura de um restaurante para saciar o estomago, que saco vazio não se aguenta de pé!

Puseram-nos à frente uma truta salmonada que caiu que nem ginjas!

Depois, porque iamos entrar de novo na Serrania, tratamos de abastecer a Dorothy para a travessia ser mais despreocupada!
Voltar a estrada e saber que a partir de aqui é sempre a voltar para casa tem alguns prós, o aconchego do lar depois de um dia de mota, uma comidinha fixe na companhia dos problemas, uma noite de cama para sonhar com as proximas aventuras; e os seus contras, ter que passar, arrumar e limpar, cozinhar o proprio jantar e dietar-se na cama todo pisad e dorido da “esfrega” que os problemas te deram!
Um motard sofre e é verdade!
Mas prontos!
Um gajo tem que voltar para casa, a mais que não seja para apanhar os sacos do lidl que te deixaram à porta!
A melhora paarte é, sem duvida, o caminho que ainda esta por fazer. A Serrania de Cuenca já tinha mostrado que era muito rica em paragens de beleza superior, assim que queriamos repetir e voltar a atravessa-la pelo seu costado norte!
Alem disso estava tambem previsto atravessar parate do Parque do Alto Tajo, onde outrora, joagavam troncos ao rio, servindo este como meio de transporte da madeira.aao logo do seu leito, os gancheiros iam cuidando , com as suas lanças de gancho, para que nenhum tronco ficasse retido nas margens e apanhassem as melhores correntes.
A estrada esse, no mapa parecia divertida, mas a verdade é que, para ser divertida teriamos que acelarar para velocidades de tribunal e não é exactamente o que pretendemos.
Ia já aborrecido quando o GPS deixaver uma estrada alternativa que nos chama a atenção!

Decidimos subir até ao promontorio….

…e não foi nenhuma desilusão!

A medida que iamos ganhando altura a paisagem ficava cada vez mais agreste!
parace que tinhamos entrado numa cadei de desfiladeiros, quase sempre com um curso de agua como protagonista e uma estrada oportunista!

Lá em cima, outros oportunistas, vigiavam-nos!
Ainda tentei obter um plano mais nitido mas estava bem lá em cima.

Seguindo este desfiladeiro viamos como as montanhas convergiam uma na outra, tudo fazia adivinhar que algo diferente esta por ver….

Quando vi os “marretas” o primmeiro que pensei que havia por ali algum radar que eu não tivesse visto. Pensei que, ao parar no posto de abastecimento para desligar a camara, viessem logo ter comigo, mas não foi o caso. Percebi que, se calhar não estavam para muita conversa, fiz o que tinha a fazer, arrranquei a Dorothy e fui à minha vida.
Duzentas mil curvas depois…

…o Tejo que desgastava as rochas que se opunham no seu caminho!

O Parque do Alto Tejo é rico em pinhais, pinheiro que nascem por entre as rochas, oferecendo o verde como cor dominante, a frescura ideal para um picnic no verão e a madeira que o rio transportava até sitios como Aranjuez ou Toledo!
A estrada, neste caso particular, estava algo abandonada, suja e um traçado com algumas almadilhas. No entanto, é um sitio a explorar.

Esta imagem pode parecer familiar para alguns, mas não é a mesma, apesar de estar tomada no mesmo local.
Medina de Aragão tem um castelo que….

…esta fechado!

Ou então bati à porta errada!

O unico que encontrei foram esta comitiva de pardalecos…

…que do alto da Torre de Menagem faziam iveja a qualquer orfeão desafinado!
Não fomos de Medina desiludidos, pois nã faltarão oportinidades para visitar o Castelo.
Temos plena consciencia que esta zona é zona a conhecer, explorar e disfrutar!

Esta é a porta sul de Daroca e de aqui fomos directos para casa já com os primeiros sinais de cu-beduinismo presentes no “pompis”!

-Então!? – perguntaram à minha chegada – Gostaste do passeio?
-Sim! Estive em Albarracin, em Cuenca, na nascente… – e os meus olhos arregalaram-se a fer uma certã em rota de colisão com a minha testa. Mal tive tempo de me baixar e ver como esta se precipitava desde o setimo andar…
-Pois!A esses sitios nã me sabes levar, só me levas obde não quero ir e depois para fazer pirraça, quando vais sozinho, vais onde quero ir!
-Mas foste tu que nã te quiseste levantar….
-Pois, nem me sabes acordar, nem queres que eu acorde, sais de mansinho! Sabes que mais!? Faz o jantar que eu vou jantar a casa dos meus pais!

Vida de um pobre…
Preso por ter, e preso por não ter!
Motard sofre muito!
Ao fim de 603 km, chegar a casa e ainda ter que fazer o jantar!
Motard sofre…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s