La Cabra Tira Al Monte

Uma manhã fria das de Abril, sol timido e sem nada para fazer.
Pensei em tentar descurtinar a melhor forma de cruzar o Sistema Iberico sem perder de vista o unico rio que o faz. Alem do Jalon, que de forma tortuosa e acidentada divide o Sistema Iberico, mais ou menos paralelos ao leito do Jalon, foram construidas as principais vias do pais pois por aí passam a A2, que liga Madrid a Barcelona, uma ferrovia de mercadorias e uma de alta velocidade, onde as composições furam pelos montes da Serra de Vicor e Morata.
Isto impossibilita procurar um caminho que não esté poluido por estas infrastuturas.
E de repente parei para pensar e…
Que se lixe, hoje é para curtir!

Isto foi uma pista que encontrei por donde andei, onde aproveitei para fazer a minha primeira incurção numa pista tecnica que me pos a suar em menos de nada.
foi lá tambe onde me iniciei no “salto ao tronco”!

Saber saltar bem um tronco é uma tecnica que ajuda na transposição de obstaculos, assim como um optimo treino para o posicionamento em cima da mota.
Tambem é fixe para te por a suar de forma quase instantanea se a tua consição fisica for má.

Depois da suadeira, era tempo de fazer uns caminhos, passar para a outra margem do Jalon e procurar um barranco virgem no meu reportorio!
Aparentemente era relativamente facil, mas tinha dois obstaculos interessantes que obrigam precisamente a aplicar a tecnica do salto ao tronco. Quando o trilho se acaba, como cereja em cima do bolo, uma subida às Ruinas do Castelo de Rueda de Jalon onde a vista para o verdejante vale do Rio Jalon contrasta com o seco dos montes à sua volta!

Depois do barranco e do premio das Ruinas do Castelo, fui à procura das paisagens proprias de um bom spaguetti western…

Os montes da margem sul do rio Jalon, entre Bardallur e Epila, oferecem uma trama densa de trilhos explorados pelos aficionados ao Enduro que nos oferecem paisagens interessantes.

Alem disso , esses trilhos as vezes conduzen-nos a a zonas tecnicas, com obstaculos que propiciam a aprendizagem sem que os sustos não sejam uma constante!

Este trilho não tinha saída e embora tenha valido a pena pelas paisagens, obrigava a voltar para tras. Nem sempre é facil fazer o caminho inverso e convem sempre evitar meter-se numa alhada e ter a certeza de que se capaz de sair de algum impasse.
No todo terreno existem duas palavras de respeito.
Descer e subir.
A primeira porque todos os santos ajudam e quando o desiquilibrio surge as inercias tendem sempre a piorar a situação. A Segunda porque, se a coisa não corre bem a coisa inverte-se e podes começar a descer!

Depois do susto, depois de desfazer o caminho, decidimos visitar os primeiros trilhos que fiz, em tempo idos, com a Dulcinea, que foram a minha estreia absoluta nisto do enduro!
Para alem da familiaridade, Urrea de Jalon é o municipio onde se encontra uma das subidas que mais respeito me dá, que nunca a consegui fazer sem que uma queda me impedisse de a completar…
Foi assim com a Dulcineia (cujo motor era manifestamente impotente) e foi assim com a transmissão de origem de Artax….
Mas tenham calma, já lá iremos, primeiro ainda esta este video que tem algumas coisas interessantes, para alem do barranco da Oliveira em Bardallur que tambem tem o seu grau de difculdade!

Depois do docinho nostálgico era tempo de rodar pela crista do monte até descer à ermita de San Sebastián (nos arredores de Bardallur) para fazer o caminho inverso de volta a Urrea por um trilho técnico e super divertido.

O Barranco de la Olivera não é nada mais nada menos que o leito de um riacho seco, por donde escorrem as chuvas tormentosas características da zona. Isto propícia os obstáculos naturais que se transformam em desafios à perícia de quem gosta de sair com a cabra al monte!

A medida que vamo subindo a dificuldade vai diminuindo e em algum momento se pode voltar a disfrutar de umas paisagens interessantes, se bem que eu estava mais interessado em imprimir um andamento mais vivo à coisa.

De volta a Urreia, o desafio da subida picava na mioleira e nem os Michelin de tacos desgarrados e mal tratados em fim de vida me moviam de tentar fazer a subida!

Chegados lá é depois de fazer um reconhecimento visual à coisa reparei que os regos estavam mais estreitos e profundos que as águas do inverno seco tinham feito um trabalho interessante que aumentou ainda mais a dificuldade da coisa.

La no alto, a meio, havia tempo (uns 50 metros) para descansar e planear o derradeiro ataque onde nos esperam dois degraus rochosos como último desafio.

Estava confiante, tinha mais umas horas de trambolhões no pelo, sabia que a transmissão de Artax aguentava bem a exigência e lidava melhor com as inercias.

No entanto, decidi subir em primeira desde o início, evitando assim um erro comum nas reduções, que é de ficar em neutro e perder toda a inércia que se leva em menos de nada.

Allá voy!

Mas a sorte, uma vez mais, não me acompanhou!

Estranhei um movimento em Artax que me pôs de alerta.

Conforme se pode ver no vídeo, após uma breve inspecção ao sistema de transmissão, reparei que a guia da cremalheira se tinha partido por causa de algum impacto que sofreu.

Teria que adiar o último assalto à subida e voltar para casa choroso…

Procurei os caminhos agrícolas e fui fazendo caminho para casa “al tran tran” para evitar o inevitável, que se traduziu num embrulhanço da transmissão e consequente queda!

Os últimos 500m foram feitos a empurrar a Artax com a corrente pendurada no basculante!

E prontos, chegamos inteiros e contentes, com trabalho para fazer mas como isso também é algo que curto fazer….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s