Aragão por LoneRider – A Rota dos Rios

Ríos agua, agua chuva, chuva inverno, andar mota no inverno mais agua da chuva dá molha na certa…

Confere!

Ora então, dos últimos 1200kms a bordo da Dorothy, divididos por duas voltinhas, oitocentos dos quais foram passados por água!

Sempre que via uma gota a escorrer pela viseira abaixo, os meus problemas recordavam-me daquela máxima Lonerideriana.

“Sólo cuesta quedarse mojado”

(só custa a ficar molhado)

A alta montanha com cotas acima dos 1500m tem destas coisas, e quando se tratam de nuvens preguiçosas, sempre que se encontram com uma montanha rabugenta que não as deixa passar, as nuvens põem-se a chorar!

A cada paragem olhava para os meus problemas e não percebia bem se estava contente por me ver enxarcado ou verde de raiva e com vontade de me matar!

O que é certo é que, entre tremelique e tremelique, aqueles lábios finos, enrugados e roxos, iam desenhando um sorriso que não era tanto de felicidade, mas sim mais para o amarelado!

Onde é que eu ia!?

Ah! Os rios…

Os rios é aquela cena manhosa que rasga o chão e que leva a água das nuvens choronas da montanha até ao mar!

Alto lá, vocês estão completamente enganados e serve a presente crónica para demonstrar o contrário!

Acordar com o cantar do galo pode ser uma experiência maravilhosa, salvo que o gajo comece a cantar as cinco da manhã!

Pensei em fazer-lhe uma espera para lhe torcer o pescoço mas depois pus-me a pensar, se tenho que esperar que gajo ponha a gargalo de fora para o amarfanhar quem não vai dormir sou eu!

Bem resignei-me à sorte que tinha e fui dormir…

Mas o gajo, as cinco em ponto já estava a excitar o gargalo!

Raios ma parta!

Juro que que um dia lhe arranco as penas à bofetada!

Voltei a resignar-me com a sorte que tinha e levantei-me para ir à casa de banho.

Prontos já sei, vocês querem fotos e tal…

Mas ainda não vos disse onde vou, nem o que tomei para o pequeno almoço, nem o que vesti, nem…

OK, faço um esforço, mas é só porque é para vocês!

O primeiro objectivo era o Rio Piedra, onde Paulo Coelho escreveu aquela Bíblia para os Flocos de Neve, À Beira do Rio Piedra, Sentei e Chorei!

Mas não porque o Rio Piedra seja importante, que também o é, pois dá o nome ao famoso Mosteiro, mas também que é sobre ele que está levantado o paredão da Barragem da Tranquera!

Paramos para contemplar as paisagens e fazer umas fotos e tal…

Alguém que me empurre!

Bem, adiante…

A estrada não era grande coisa, a típica estrada secundária de Aragão, com piso irregular e algum buraco, mas desvia-se pelo vale do nosso primeiro protagonista de hoje, o Rio Mesa!

(se quiserem a ficha técnica do río procurem no Wikipedia)

Digamos que o Rio Mesa é o autor de uma cicatriz no Sistema Ibérico, como que um corte profundo poronde corre um fio de água limpo e cristalino que serve umas termas (Jaraba) e deslumbra as vistas com as paredes rochosas que desbravou e que hoje são habitat natural dos abutres!

São vários kms de estreito e sinuoso desfiladeiro onde as paredes chegam a ter uma altitude que dificilmente uma máquina pode abarcar!

E é difícil de descrever assim que o melhor mesmo é ver este vídeo onde, de alguma maneira, tento mostrar a beleza do local!

Vá lá, não sejam preguiçosos, vejam o vídeo que até tem musiquinha para fazer meninos e tudo!

Pouco a pouco ia subindo para a meseta, através de uma estrada sinuosa e interessante, com piso muito fixe que denunciava que tínhamos passado os limites do reino de Aragão e nos encontrávamos agora “en la Mancha del Quijote”!

O objectivo era entrar em cheio no que é conhecido como a Serranía de Cuenca, que conta com estradas de muito bom piso, traçado sinuoso, paisagens brutais e um parque natural interinamente dedicado ao nascente de um Rio!

Depois da barrigada de curvas a bom ritmo chegamos ao Parque Natural del Nacimiento del Río Cuervo!

Ao chegar constatamos que o gajo é resmungão e que começava desde lá bem de cima a fazer barulho. Estávamos na base de uma escadaria natural camuflada por um frondoso bosque de choupos, pinheiros e outros árvores de menor porte.

Ao subirmos a primeira rampa o Cuervo presenteia-nos com este pequeno lago, alimentado por inúmeros fios de água que pulverizavam uma frescura no ambiente.

Continuando com a escalada, seguindo as águas cristalinas do rio, começam a aparecer as primeiras queixas. Estavam uns 17°C e se os forros de inverno são de agradecer pela frescura matinal, agora que o sol aquece sufocam o corpo.

Embora as sombras das árvores e o spray do rio atenuassem o sufoco, ganhar altitude num espaço de tempo relativamente curto não ajuda à sensação térmica.

Chegados à meseta, onde o Cuervo corre por entre pedras e piscinas naturais, decidimos desistir, evitar o sofrimento que nos sofocava e descansar um pouco.

Tratamos de imortalizar as nossas fronhas no local, de comer o farnel que preparamos de manhã e relaxar porque o local convida a descontrair, descansar e brincar um pouco.

Quando chegou a hora de partir, enquanto a Mery reagrupava os tarecos, ainda me aventurei para fazer mais esta fotografia!

O Parque é relativamente grande, tem vários caminhos que te permitem ver o rio de diferentes perspectivas, sitios se descanso, para comer e até fazer umas cestas, mas convém vir preparado para andar e suar um bocado.

Voltamos à estrada, em direcção a Tragacete, descendo pelo vale do rio mais polémico e mediático da península. O Rio Jucar!

Tragacete é um ponto estratégico na nossa rota. É um ponto de inflexão na cota de altura (acabamos de descer e começamos a subir), é aqui que começamos a voltar para trás (na direcção de casa) e é o único posto de abastecimento aberto num raio de 80kms!

Depois de abastecer e tomar o cafezinho apanhamos a subida que nos leva ao outro protagonista deste miserável relato. A estrada é muito boa, com muitas curvas enlaçadas, lenta, técnica e super divertida. Gravamos tudo em vídeo, só não o publicamos porque o mesmo testemunha a forma como atiramos pelo penhasco abaixo três motas de matrícula francesa, depois de ter empalado os condutores e violado as penduradas. Isto tudo só por terem estragado parte da diversão.

Aqui, já cá em cima, no descanso do guerreiro!

A estrada ganha agora características bem mais rápidas, subindo aos 1600m, para entrar definitivamente em Aragão. Uns kms mais a diante, giramos à esquerda para ver nascer o maior rio da Península Ibérica.

Aqui, a 1500m sobre o nível médio do mar, brotam com vigor as primeiras águas do Tejo, que cruza a Península ao encontro do Atlântico, a 1000kms de distância.

Prazer e sofrimento juntos numa só foto!

(não sei porquê, mas acho que este comentário vai fazer alguma sertã ganhar asas)

Voltamos à estrada para curtir mais uns kms de bom asfalto, curvas a condizer e paisagens verdejantes.

O objectivo não era desconhecido, mas a sua beleza e o facto de ser desconhecido aos olhos da Mery, tornava a paragem obrigatória.

Albarracin, Vila Medieval ligada ao Cid el Campeador, que tem tanto de encanto como de fotogénica.

É foram aquí que as coisas se torceram!

Chegamos à hora do desassossego (entenda-se visita guiada) onde tivemos que fintar por várias vezes o grupo de japoneses que visitavam o núcleo medieval.

Foi quase impossível fazer fotos sem encontrar o típico turista com a sua reflex a fotografar uma pedra gastada pelos ventos que descem dos Montes Universales.

Mery prendeu o burrinho porque queria encontrar o povo vazio à sua mercê.

Quando finalmente consegui a Plaza Maior vazia só para mim, captei esta “postura de Alcaldesa” (só lhe falta “el Bastón) que quase me ia custando a vida!

Depois de Albarracin, já com a tarde avançada e o sol a deixar muitas sombras na paisagem, apanhamos direcção a Orihuela del Tremedal para conhecer o rio mais peculiar desta rota.
À medida que subíamos os Montes Universales a paisagem mudava, os pinhais passavam a ser menos densos, onde grandes maciços rochosos mostravam uma rocha fragmentada em milhares de calhaus alguns deles de proporções consideráveis.
Quando começamos a descer, por um longo vale, as árvores deram lugar a um caudal de pedras com mais de 10m de largura.

Não meus amigos, não se trata do leito de um rio seco, trata-se de um rio onde o caudal são pedras, que pela acção das temperaturas gélidas do Inverno e escaldantes do Verão provocaram a sua fragmentação e dispersão ao longo do vale.

Diria que este Rio de Pedra, que não é único nesta zona, se estende paralelo à estrada ao longo de uns 3kms e tem uma largura considerável, que permite ser visto nas imagens de satélite da Google.

Mais um sítio que pede uma caminhada pelo entorno para conhecer com detalhe estes Rios cujo caudal são Pedras!

Com as temperaturas a cair, era momento de procurar a Autovía Mudéjar e devorar os 170kms que nos separavam do Covil!

Foi, finalmente, um dia em que a chuva não nos limitou o passeio, com muito sol e sítios muito interessantes onde o bom asfalto promete garantir momentos de diversão!

Prontos pessoal, para a próxima há mais!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s