Primera de Muitas

Levantei-me para mudar a agua às azeitonas eram umas 04h00 e enquanto tingia aguas dava por mim a pensar se era ou não uma boa ideia ir curtir uns kms com a BabieKa.

O que é certo é que o pensamento já não me deixou voltar à cama e apesar de ainda estar meloso com o sono, decidi deixar a rapariga dormir e sentar-me onde me encontro agora a traçar no My Drive uma rota fixe para fazer a bordo do meu novo cavalo!

Tinha que ser algo que ajudasse à rodagem, estradas secundarias, curvas, piso variante e que oferecesse aquela dose de diversão que me valesse a pena sair à rua de madrugada, com menos de 5 graus de temperatura e arriscando-me a apanhar chuva pelo caminho! Subir às terras altas foi posto de parte por causa da neve e porque as estradas que tinham garantias de estar transitáveis eram maioritariamente as que não encaixavam nos requesitos…
Fiquei-me pelo Pre-Pirineu juntando a serra de Alcubierre, em pleno Monegros e as rectas das Cinco Villas para o regresso a casa…

Antes de nada, tínha que montar o suporte do GPS, configurar o mesmo, emparelha-lo com o telemóvel e depois descargar o mapa da rota!

Em seguida vesti-me, atei um fato de chuva à traseira da mota e bota a andar que se faz tarde!

Não chovia, o ceu encapotado ameaçava com descarregar, mas não chovia. No entanto o asfalto estava encharcado, o frio avisava para a possibilidade crescente de um piso deslizante e pouco amigo das sua rodas!

Depois de Zaragoza, uma densa capa de nevoeiro dava-me as boas vindas à medida que me adentrava nos Monegros!
Uma paragem se impunha para uma cafezada matinal…

Aqui Babieka ainda tinha pinta de ser novinha em folha!
Mas as estradas molhadas e cargadas de barro depositado pelos tractores, não só aumentava o risco da viagem, como deixava a mota, as botas, calças e casaco totalmente salpicados de barro…

Com uma nevoa a pairar no ar, Perdiguera saudava a todos os que por ela passavam tentando manter vivo o espirito natalicio…

Alcubierre foi palco da primeira aventura aqui do menino, que se meteu a fazer “piscinas” por entre as suas ruelas na tentativa falhada de fotografar a fachada mudéjar da sua igreja matriz. Mais uma excelente oportunidade para fazer equilíbrio dinâmico, com os pes a ir ao chão varias vezes para evitar cair nas manobras mais apertadas. Uma vez mais, o apurar da técnica a funcionar e evitar ter que apanhar a mota do chão!

O melhor que conseguimos foi fotografar o Jesus que se encontra nas traseiras da Igreja….

Voltamos à estrada, desta vez estreita e esguia, de asfalto irregular e remendado, que BabieKa lia e digeria sem qualquer registro de dificuldade, tomando direcção a Hoya de Huesca…

La no fundo Bolea e a sua igreja fortificada, posto de vigilância pertencente à linha de defesa construída por Alfonso el Batalhador antes de tomar Saracusa (Zaragoza) aos Muçulmanos….
Como bastião defensivo e de maior importância esta Loarre!

Este Castelo, construído em cima de um penhasco é ponto de partida para inúmeros caminhos que nos levam por vários sítios da Serra de Santo Domingo, em pleno Pre-Pirineu. Não pude resistir a “deixei-me descair” por um trillo fácil montado na BabieKa até chegar ao tapete betuminoso que nos levaria a Ayerbe para uma paragem técnica para abastecer e mudar a aguas às azeitonas.

Enqunato “descaia” pela vertente do monte  conheci um calhau, que foi oportuno para me ajudar a desmontar e montar na mota!

Era precisamente a medida que me falta para fazer coisas tão simples como recolhar o descanso uma vez montado no animal!

Infelizmente tive que desistir da ideia de o levar comigo pelas razões obvias!

Ao longe, os Mallos de Riglos, coroados por uma coroa de nuvens!

Depois de passar o desfiladeiro do Rio Gallego, a estrada oferece-me 35kms de curvas, subindo o mítico Jabali onde eu e Babieka podemos explorar melhor a sua ciclística e a contundência do seu motor….

Assim que acabou o bem bom, o GPS mandou-me virar à esquerda, por aquilo que supostamente seria uma estrada de montanha, mas que outrora foi asfaltada. Embora não quisesse fazer todo terreno, a pista não revestia qualquer dificuldade, piso duro e firme que ia ladeando uma colina sem grandes declives…. Acabei por aceitar o desafio e fotografar a Babieka ao lado de uma Parideira pela primeira vez!

A pista estendeu-se por uma boa quinzena de kms, onde pude apreciar as diferenças entre o modo de estrada e o modo de todo terreno do moto, com ou sem control de tracção, com ou sem ABS na roda traseira. O asfalto voltou à entrada de Longás,  onde começava uma estrada sinuosa que nos levou a SOS del Rey Catolico, que outrora viu nascer quem uniria os reinos hispanos da peninsula….

De fundo podem ver uma cadeira, onde me sentei ao lado da Artax para fazer uma foto bastante conhecida…

Daqui a casa foram 120kms de retas que atravessam as planícies agricolas da comarca das Cinco Villas!

Quando cheguei a casa, mesmo a tempo de almoçar, percebi que, afinal de contas, o laranja enlameado até que nem é má cor para se ter numa mota!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s