La Cabra Tira Al Monte

Uma manhã fria das de Abril, sol timido e sem nada para fazer.
Pensei em tentar descurtinar a melhor forma de cruzar o Sistema Iberico sem perder de vista o unico rio que o faz. Alem do Jalon, que de forma tortuosa e acidentada divide o Sistema Iberico, mais ou menos paralelos ao leito do Jalon, foram construidas as principais vias do pais pois por aí passam a A2, que liga Madrid a Barcelona, uma ferrovia de mercadorias e uma de alta velocidade, onde as composições furam pelos montes da Serra de Vicor e Morata.
Isto impossibilita procurar um caminho que não esté poluido por estas infrastuturas.
E de repente parei para pensar e…
Que se lixe, hoje é para curtir!

Isto foi uma pista que encontrei por donde andei, onde aproveitei para fazer a minha primeira incurção numa pista tecnica que me pos a suar em menos de nada.
foi lá tambe onde me iniciei no “salto ao tronco”!

Saber saltar bem um tronco é uma tecnica que ajuda na transposição de obstaculos, assim como um optimo treino para o posicionamento em cima da mota.
Tambem é fixe para te por a suar de forma quase instantanea se a tua consição fisica for má.

Depois da suadeira, era tempo de fazer uns caminhos, passar para a outra margem do Jalon e procurar um barranco virgem no meu reportorio!
Aparentemente era relativamente facil, mas tinha dois obstaculos interessantes que obrigam precisamente a aplicar a tecnica do salto ao tronco. Quando o trilho se acaba, como cereja em cima do bolo, uma subida às Ruinas do Castelo de Rueda de Jalon onde a vista para o verdejante vale do Rio Jalon contrasta com o seco dos montes à sua volta!

Depois do barranco e do premio das Ruinas do Castelo, fui à procura das paisagens proprias de um bom spaguetti western…

Os montes da margem sul do rio Jalon, entre Bardallur e Epila, oferecem uma trama densa de trilhos explorados pelos aficionados ao Enduro que nos oferecem paisagens interessantes.

Alem disso , esses trilhos as vezes conduzen-nos a a zonas tecnicas, com obstaculos que propiciam a aprendizagem sem que os sustos não sejam uma constante!

Este trilho não tinha saída e embora tenha valido a pena pelas paisagens, obrigava a voltar para tras. Nem sempre é facil fazer o caminho inverso e convem sempre evitar meter-se numa alhada e ter a certeza de que se capaz de sair de algum impasse.
No todo terreno existem duas palavras de respeito.
Descer e subir.
A primeira porque todos os santos ajudam e quando o desiquilibrio surge as inercias tendem sempre a piorar a situação. A Segunda porque, se a coisa não corre bem a coisa inverte-se e podes começar a descer!

Depois do susto, depois de desfazer o caminho, decidimos visitar os primeiros trilhos que fiz, em tempo idos, com a Dulcinea, que foram a minha estreia absoluta nisto do enduro!
Para alem da familiaridade, Urrea de Jalon é o municipio onde se encontra uma das subidas que mais respeito me dá, que nunca a consegui fazer sem que uma queda me impedisse de a completar…
Foi assim com a Dulcineia (cujo motor era manifestamente impotente) e foi assim com a transmissão de origem de Artax….
Mas tenham calma, já lá iremos, primeiro ainda esta este video que tem algumas coisas interessantes, para alem do barranco da Oliveira em Bardallur que tambem tem o seu grau de difculdade!

Depois do docinho nostálgico era tempo de rodar pela crista do monte até descer à ermita de San Sebastián (nos arredores de Bardallur) para fazer o caminho inverso de volta a Urrea por um trilho técnico e super divertido.

O Barranco de la Olivera não é nada mais nada menos que o leito de um riacho seco, por donde escorrem as chuvas tormentosas características da zona. Isto propícia os obstáculos naturais que se transformam em desafios à perícia de quem gosta de sair com a cabra al monte!

A medida que vamo subindo a dificuldade vai diminuindo e em algum momento se pode voltar a disfrutar de umas paisagens interessantes, se bem que eu estava mais interessado em imprimir um andamento mais vivo à coisa.

De volta a Urreia, o desafio da subida picava na mioleira e nem os Michelin de tacos desgarrados e mal tratados em fim de vida me moviam de tentar fazer a subida!

Chegados lá é depois de fazer um reconhecimento visual à coisa reparei que os regos estavam mais estreitos e profundos que as águas do inverno seco tinham feito um trabalho interessante que aumentou ainda mais a dificuldade da coisa.

La no alto, a meio, havia tempo (uns 50 metros) para descansar e planear o derradeiro ataque onde nos esperam dois degraus rochosos como último desafio.

Estava confiante, tinha mais umas horas de trambolhões no pelo, sabia que a transmissão de Artax aguentava bem a exigência e lidava melhor com as inercias.

No entanto, decidi subir em primeira desde o início, evitando assim um erro comum nas reduções, que é de ficar em neutro e perder toda a inércia que se leva em menos de nada.

Allá voy!

Mas a sorte, uma vez mais, não me acompanhou!

Estranhei um movimento em Artax que me pôs de alerta.

Conforme se pode ver no vídeo, após uma breve inspecção ao sistema de transmissão, reparei que a guia da cremalheira se tinha partido por causa de algum impacto que sofreu.

Teria que adiar o último assalto à subida e voltar para casa choroso…

Procurei os caminhos agrícolas e fui fazendo caminho para casa “al tran tran” para evitar o inevitável, que se traduziu num embrulhanço da transmissão e consequente queda!

Os últimos 500m foram feitos a empurrar a Artax com a corrente pendurada no basculante!

E prontos, chegamos inteiros e contentes, com trabalho para fazer mas como isso também é algo que curto fazer….

[Test Drive] Kawazaki Z900RS

O dia amanheceu molhado, com o vento a obrigar as nuvens a correr de encontro às montanhas. Desde a passadeira que me obrigava a correr, olhava pelos enormes vidros do ginasio como as gotas iam caindo no chão. Mais um dia de férias, mais uma madrugada a mais de 150 ppm, mais uma t-shirt molhada, menos 600 calorias activas.

Depois do banho, o pequeno almoço e olhadelas furtivas ao relogio para não me atrasar.

Será que nao me vão deixar fazer o test drive?

Que seja o que tiver que ser. Eu vou lá, a mota está lá, só não saímos os dois do stand se o vendedor não quiser!

Pela primeira vez nos ultimos 2 anos vou fazer um Test Drive a uma mota. O ultimo test que fiz foi à Integra e desde então, por não ter interesse em comprar , ou por falta de disponibilidade, deixei de parte esta forma de criar opiniao sobre as motas que existem no mercado.

Desta vez, aproveito a oportunidade para me estrear na edição das minhas opiniões sobre as motas objecto de teste. Não vão haver isenções, porque se trata de uma opiniao pessoal, da qual se pode estar de acordo ou não, mas sem deixar de ser o meu ponto de vista sobre os diferentes aspectos que avalio numa mota!

Desta feita a eleita foi uma moto que deriva de uma Street Fighter, que foi adaptada para encaixar na corrente estilistica vintage.

A Z900RS é uma neo-classica com um aspecto dos anos 70, quando a familia Z se estreou na andadura motociclistica.

Não é facil ficar indiferente as linha classicas da mota, que inicialmente fazem lembrar a primeira Z, mas que se vai misturando com aquele paracer familiar das Zephyr dos anos 80.

Como estava a chover, o teste foia feito essencialmente em ambiente urbano, onde a generosidade do motor acompanhava a sua sauvidade até as 5500 rpm. Altura em que deixava de haver sauvidade e abundava a genorosidade!

De facto a Z acelera muito bem, com um som proprio de um tetra, capaz de nos catapultar para velocidades de telejornal.

A medida que a velocidade aumenta, maior é a força que fazemos para nos agarrar.

Para mim o maior defeito da mota reside aqui, na falta de apoios para combater as inercias da mota, que aliada à inexistente protecção aerodinamica, limita uma ciclistica/ motor excelente no que a prestaçoes se refere.

Andar em auto estrada a velocidades acima de 120km/h é mentira. A falta que me faz a minha Maria das Curvas, com aquele barrigão enorme que nos apoia nas acelerações e travagens, e nos protege de boa parte da tareia que nos da o vento.

A Z-RS esta bem acabada, com tudo no seu sitio, um painel sobrio mas com toda a informaçao necessaria (incluido a ciclo lunar e um calendario menstrual configuravel), com um equipamento dentro do normal, suspensões regulaveis com um tarado algo firme mas que permite ler bem a estrada, um motor estupendo, iluminaçao LED, uma boa distribuiçao de pesos que a torna muito maneavel e uns pneus (GPR300) que encaixam muito bem no que se propõe.

Não houve muito tempo para mais, lamentando que tenha que a ir entregar quando as estradas começavam a secar-se.

Seria, sem duvida, uma excelente representante do neo-classissismo na minha garagem….

Vou só ali esticar as pernas….

Com o aumento das horas de luz a minha actividade aventureira/física tem vindo a aumentar.

A verdade é que o ginásio é uma seca e sempre que posso….

Monte, aí vou eu!

No domingo foram 14km, na Segunda 7km, na Quarta mais 10 e ontem ia só ali esticar as pernas, porque os meus músculos ressentiam-se um bocadinho das caminhadas e tal.

Mas prontos, depois de estar quente e de ter ritmo, acabei a subir os montes de Calatayud, acompanhando as suas muralhas milenares.

Hoje estou que nem posso, mas ainda não desisti da ideia de ir ao ginásio para levantar uns pesos…

Postado uma nova trilha: https://pt.wikiloc.com/trilhas-caminhada/calatayud-23118562 (Calatayud) no #wikiloc

Domingo, dia de Missa…

Apesar de ter um Santuário, não sou um gajo muito religioso. Mas sou crente.

Acredito piamente que as minhas motas são a minha fonte de alegria.

Desde o principio do mês que uma vaga de frio, chuva e neve, estacionou na Peninsula desaconselhando o uso da mota. Quer dizer, para ir ao monte estava altamente, mas o meu pobre coração palpitava por Dorothy.

Por Dorothy e pelos Pirineus….

-Miúda! Domingo vou andar de mota…

-Com este frio? Não estás a pensar que eu vá contigo pois não!?

– Não sejas tão convencida. Eu para andar de mota só preciso da mota.

O telemóvel tocou os acordes de Sweet Child Off Mine, interrompendo assim aquilo que seria mais uma batalha pela posição Alpha no seio do casal:

– Olá migo! Tudo bem!?- ela fingia não prestar atenção – Domingo!? Andar de Mota? OK! Na boa, onde é que vamos? Olite? Fixe pá!

É assim ficou combinado, Domingo vou à missa a Olite.

Não era os Pirineus é verdade, mas quem me desafiou é companheiro de trabalho e não podia perder o dia todo a andar de mota, uma vez que trabalhava da parte da tarde. A nós os dois Juntou-se um terceiro, montado a bordo de uma Z-SX, o que até foi porreiro pois nunca tinha rodado com nenhuma.

Eram 7 da manhã quando me levantei para começar o ritual.

Olhei para o telemóvel e a temperatura estava em linha com do que vendiam. Lá fora havia 2°C e o Cierzo assobiava nas janelas. Tudo aconselhava a não armar-me em chico esperto, assim que decidi vestir o meu fato térmico Windstopper, vestir o fato de turismo e levar as minha sempre quentes luvas da Alpinestars, responsáveis por manter as minhas mãos quentes à mais de 10 anos.

E ainda bem que assim foi, pois nada mais sair da garagem montado na mota, levei uma bofetada do Cierzo que fechei logo os queixos do capacete modular.

Para ser sincero, se não fosse pela companhia jamais me aventuraria a andar à bofetada com o Cierzo ao longo do Vale do Ebro, para ir a Olite. Principalmente por causa de que o Cierzo é um vento capaz de pôr à prova o Windstopper do meu fato térmico.

Sempre ouço dizer que a melhor forma de não morrer gelado pela sensação térmica que provoca o Cierzo é de subir em altura, onde ele não sopra com tanta força.

Chegado a Pedrola, la estava a Tanqueta do Albino e o Repolho do Fernando à minha espera:

-Quem vai à frente!?

-O Rui! – disse o Albino – Ele é que é o mais experiente, ele que abra caminho!

-Katano! Sou sempre o pobre desgraçado que tenho que levar os tenrinhos pela mão….

Montei na Dorothy e arrancamos em direção a Tauste. Como já era de esperar, tudo plano, sem curvas, o rio Ebro desce o vale com bastante água e no horizonte começam a erguer-se os primeiros planaltos das Bardenas Reales.

Passamos Tauste, desviamos para Pinsoro e depois de um cafezinho rápido, entramos na Comunidad Foral de Navarra por Carcastillo.

Quando, por fim, avistei monte no meu horizonte o bom asfalto acabou.

Subida .jpg

Ficamos confinados às fotografias, com um dia de bastantes sombras, mas bem animado com a amena cavaqueira que reinava no pessoal.

A estrada era má, mas as paisagens fariam uns quantos postais não fosse pelo sol ser um bocado tímido.

Meninas.jpg

Coroando o monte estava Ujué, que obrigava a uma fotografia artística para imortalizar a sua Igreja Fortaleza.

Ujué.jpg

Quando finalmente pisamos asfalto de qualidade não pudemos tirar proveito dele porque estava molhado!

Menos mal que não apanhamos a tromba de água que parecia ter caído momentos antes porque a estrada estava bastante encharcada.

Eu1.jpg

E pronto, já chegamos ao nosso destino.

Nem sequer entramos, quer dizer, entramos no bar para merendar, mas adiamos a visita à Olite porque estava um dia feio que convidava a estar numa mesa, a comer ovos com salsichas e a contar mentiras.

Olite.jpg

Mas quando saia à rua a fortaleza chamava, convidava a entrar…

Olite 2.jpg

Terei que cá voltar, com calma, para visitar o local com tempo.

E pronto, com o bucho cheio e o reportório de mentiras todo desmascarado, era momento de voltar para casa, pelas estradas nacionais planas e sem grande história para contar.

Ao chegar a Zaragoza ainda tive tempo de ser controlado num control de alcoolemia e drogas, onde o senhor guarda ainda me pediu de forma arrogante para que me despachasse a tirar as luvas, o capacete e o passa montanhas.

E foi assim a minha ida à missa!

Super divertida e muito emocionante.

Fiquei bué fan e vou querer repetir sem dúvida…..

Eu Sao Subi Isto

Todos vocemecezes sabem que eu sou tenrinho no monte.

Mais tenrinho que Miscaro de Novembro.

No passado mês de Dezembro estive na minha terra natal e entre os mimos maternos, as arrelias com a namorada, o Leitão e o Jantar de Natal do Motonliners.pt, consegui escapar-me ao monte com Artax.

Entre outras aventuras, vivi este particular momento que hoje acho curioso.

 

Entre a subida e a descida existem uma diferença de 3 horas, mais ou menos…

O problema está que subi confiando em Artax e em suas capacidades motrizes, fui à minha vida, subí uma das vertentes do Buçaco, fui à Cruz Alta e depois decidi não aventurar-me por caminhos novos e voltar pelo mesmo caminho.

Quando cheguei não podia acreditar que tivesse subido por ali, aquilo parecia um poço sem fundo, muito em aparte por duvidar das minhas capacidades como piloto da Artax.

Mas se eu consegui subir tenho que conseguir descer.

E  assim foi e hoje considero-me um herói, já que ainda não tenho ninguém que diga:

-Pai!! És o meu herói!

Até já Zé pá! 

Eram agitadas as manhãs em que, saltando na cama, gritava a pleno pulmão a Minha Casinha.

Fui crescendo e compreendendo que os Xutos & Pontapés eram uma banda de culto, daquelas em que acabei por militar.

Não sou o único que hoje sente um profundo vazio ao saber que o arquimusico já não está.

A Morte é uma Submissão da qual, inevitavelmente todos havemos de cair, mas dói quando sentimos que tinha tanto para partilhar connosco.

Se Um Deus houvesse…

😥

O Culto… 

Esta coisa despertou conscientemente em 1994 com uma revista (já extinta) cuja imagem de capa tinha a novíssima CB500.

Desde então o apetite por conhecer esse mundo nunca mais parou. Cheguei a ir a uma concentração a 6km de casa, aventurar-me de cinquentinha por boa parte da geografía portuguesa, ver provas do Campeonato Nacional de Velocidade (CNV), ser moço de recados numa modesta equipa de 125 Produção e até “dar à bandeira” num posto de controlo numa prova do campeonato de Enduro.

Alguém chegou a classificar-me como frikki por saber a ficha técnica de quase todos os motociclos à venda no retângulo.

Mas o que eu gostava mesmo era andar de mota e quase a totalidade das aventuras que vivi, vivo e vivirei, são só mais uma desculpa para andar de mota. De uma 50, passei a uma 125, depois uma 500, depois uma 1100, até hoje que tenho quase 4000cc em motas lá  no Santuário.

Vejo as motas como parte de mim, dou-lhes atenção e luto cada dia para que não lhes falte nada.

Principalmente gasolina! 😉

Continuo a estudar a aprender e a defender as motas.

Cheguei mesmo a pousar nú, num dia fresco de Fevereiro, em plena rua, para alertar e sensibilizar a comunidade.

Sim! Acredito que poucos tiveram coragem de olhar para a fotografia.

A estrada é,  em boa parte, culpada de muitas aventuras.

Faz-me sonhar. Torna-se interminável…

E  assim, pela maestría do amigo e companheiro Ricmag, nasceu o Logótipo que reúne um pouco de mim, um pouco do Culto e outro tanto dessa Estrada Interminável.

E é por esse magnetismo que o asfalto exerce, que Maria das Curvas continua a somar quilómetros.

Pelo caminho, fui fazendo amizades, continuei a cultivar o gosto pelas motas, tornei-me num entusiasta e ajudei no que pude as pessoas que encontrei no caminho.

Quando, finalmente, tive a oportunidade de criar o Santuário, percebi que tinha agora outro motivo para cultivar esta paixão.


A mecânica sempre foi uma tentação e, apesar de fazer boa parte da manutenção às minhas motas, sempre pus limites, sempre pensei que ainda não estava preparado… 

E não estou!

Muito longe disso.

Mas ter duas motas paradas no Santuário não é para mim, assim que pus mãos à obra.

Estudei sobre mecânica, li sobre restauro, procurei informação sobre os modelos, agucei o engenho, perdi o medo.

Passo as tardes livres no Santuário, tardes de puro Culto, de veneração às Motas, observando antes de tocar, tocar antes de desmanchar, desmanchar observando, observando consultando as bíblias da mecânica.

Continuo a andar de Mota!?

Claro que sim!

São elas que me levam ao Santuário!

São elas o principal motivo de tudo isto.